Desafio do Poligrafias

Um tema por dia.Trinta motivos de orgulho.

Nós também temos medo do comprometimento, sabia? Trocamos cartas há quase dois anos e ainda achamos absurdamente desafiadora a ideia de escrevermos um texto por dia. Nossas cabecinhas insistem em gritar pra quem quiser ouvir que faltará tempo, assuntos e disposição. É sempre a mesma história pra boi dormir – e olha que de histórias a gente entende.

O desafio que estamos prestes a propor é uma tentativa de enfrentar os nossos próprios roteiros, de subverter a lógica pessimista e improdutiva das nossas histórias e de mostrar pra todo mundo que escrever nos força a pensar melhor. Queremos, podemos e vamos grafar sobre trinta diferentes temáticas. Vamos guiar a criatividade, moldar o tempo e arrumar disposição. Vamos deixar que os bois durmam, mas incrementaremos as histórias de ninar. Nós, apesar dos pesares, nos comprometemos a redigir todos os dias. Um tema por dia, até que tenhamos trinta motivos de orgulho.

Nós desafiamos você e nossos policontatinhos

Cê não achou que entraríamos nessa jornada sozinhos, né? Um dos fatores principais para nos mantermos comprometidos é termos companhia e apoio. Nós convidamos todos os nossos policontatinhos para se juntarem a nós no desafio e vários deles, assim como nós, publicarão seus textos na internet. Se você precisar de um empurrãozinho pra colocar as palavras no papel durante este mês, conte conosco.

E aí, vamos fechar? Se liga nos temas

Florestas misteriosas e criaturas mágicas cuspidoras de fogo, toda trama é bem-vinda. A regra é extrapolar as fronteiras dos lugares em que você já esteve e descrever um cantinho que é só seu. Onde você despeja a sua loucura? Talvez seu paraíso seja um incompreensível estado de espírito. Quando se trata do que pensamos e criamos, todas as esquinas da alma são um possível abrigo para fugirmos das chuvas de meteoros. Não permita que sua criatividade seja extinta. Proteja-se!

A vida é uma mistura da certeza do que passou com a inquietação do que poderia ter acontecido. Muitas possibilidades ficam no limbo das hipóteses por medo, preguiça ou descuido. O controle nunca está nas nossas mãos, mas com a escrita somos capazes de arredondar as arestas de toda história mal contada. E se fosse diferente? E se o dia nascesse noite? E se…?

O anfitrião da vez é o desconhecido. A residência fica fora da zona de conforto e a sala de estar fica à beira da lareira, pra passarmos medo com fábulas, roteiros e ficções policiais. Até onde você se aventuraria? O desconhecido te dará caneta, papel e uma mesa. Vai encarar as chamas ou vai preferir ficar no escuro?

Com as conversas nós conectamos as nossas mentes. Percorremos grandes distâncias, interligamos corpos e almas. É com a fala que nos ligamos diretamente uns aos outros. Tá pronto pra sintetizar suas ideias e soltar o verbo? Não vale gaguejar.

Músicas são a tradução sutil dos nossos estados de alma. Com os sons nós nos transportamos para lugares improváveis, mudamos o nosso astral e experimentamos emoções que nunca soubemos que existiam. Do calorzinho pelo crush ao choro reprimido na madrugada. Qual música te inspira bons parágrafos?

Nós não sabemos o que te amedronta, mas temos certeza que toda história de terror envolve um terreno instável e a preocupação de cair. Você tem algum ponto de segurança? Cuidado com o escuro e o monstro do armário.

A astrologia divide as tribos: adoradores e indiferentes. Incomoda, isso é inegável. Por mais cético que seja, duvidamos que nunca tenha pensado no match astral com o crush. Que atire a primeira pedra quem nunca recorreu aos astros na hora do aperto. Nós ficaremos quietinhos, porque já fizemos muito pior.

Para alguns é motivo de orgulho, para outros, de vergonha. Estamos falando de você e do seu cartão de visitas, o seu corpo. Qual sua relação com ele? Seu corpo reflete quem você é ou é totalmente indiferente? Conte-nos sobre os seus detalhes.

Escreva como quiser. Use um alter ego, um personagem, um heterônimo ou mesmo essa sua cara de pau. Neste desafio descobriremos quem você realmente é. Por trás das máscaras que nos escondem, uma dica para a vida sempre revelará os nossos rostos. E aí? Qual segredo você está disposto a compartilhar?

Somos todos estranhos, às vezes até para nós mesmos. O que você diria para um completo desconhecido? Escrever uma carta é rever um pouco de si e, ao mesmo tempo, entender as diferenças que nos fazem únicos. Sua autenticidade impressionaria um estranho? Ele leria sua carta até o fim?

Crônicas são textos curtos baseados em fatos do cotidiano, até aí todos sabemos. Agora coloque aquela pitada de humor, junte sua criatividade de escritor e traga pra gente o olhar cômico sobre a vida. A rotina pode ser leve e engraçada, é uma questão de perspectiva – e de organização das palavras.

Não precisa ser o amor da sua vida. A escala de pessoas especiais tem uma gradação muito grande e nós queremos o improvável, a surpresa, aquele detalhe de erguer as sobrancelhas. Quem faz seus olhos brilharem? Quem é a companhia mais excepcional? Quem te inspiraria a escrever?

Todos os dias nos deparamos com textos, muitos textos. Livros, outdoors e pichações. Todos têm uma história, mas o que nos interessa é o significado que você atribuiu às palavras, o plot twist da sua vida. Este desafio vai se basear justamente nisso, numa citação, seja ela qual for, que de alguma forma ajudou a moldar a sua história.

Nós te desafiamos a escrever um microconto fantástico. Você tem uma linha pra misturar narrativa, fantasia e uma história muito bem contada. Não subestime a pequenez, apostamos que poucas horas não serão suficientes.

Usar um eu-lírico com o gênero que assumimos durante uma vida traz muitas facilidades. Estamos acostumados com a maioria dos prós e dos contras. Você dormiu e acordou com sexo trocado. Um corpo que traz físico, mente e uma construção social. E agora, José? – ou Maria.

Este é pra mudar um pouquinho a dinâmica. Não precisa escrever um romance à la Guerra e Paz, viu? Nós queremos uma prosa narrativa e romântica. Torceremos para que os protagonistas fiquem juntos no final – ou não.

Mergulhe sem medo, faça a confissão mais constrangedora da sua vida – ou ao menos alguma que te faça passar vergonha ao nosso lado. Nada de nos deixar expostos e sozinhos, ok? Vamos abrir os nossos livros, misturar as nossas páginas, trocar os nossos dialetos e sotaques. Vamos misturar nossas vergonhas.

Às vezes, escrevemos nossos textos presos a pessoas, situações e cenários conhecidos. Esta é a hora de quebrar paradigmas e escrever um personagem bem diferente de todas aquelas coisas com as quais nos identificamos. Vai encarar?

Toda ficção tem uma grande estrutura de fundo. Ao assistirem, os espectadores modificam e acrescentam novas complexidades a essa estrutura. Não esperamos que você leia a mente dos criadores da série, só queremos que discuta filosoficamente as passagens que te fizeram pensar. Seria muito Black Mirror ignorarmos todas as mensagens que nos são passadas.

Das horas investidas em livros de sociologia às noites mal dormidas rolando a barra do Buzzfeed, muitas teorias se apresentam. Queremos que nos conte uma que te interessa. O que essa teoria tem de especial?

Nada de ir buscar no Google! Não é pra ter precisão. Este desafio te convida a criar uma origem totalmente diferente da real para um prato que você gosta. Pode ser até um prato inventado, beleza? O que importa é que você nos deixe presos na sua história! E, quem sabe, curiosos para experimentar essa gororoba aí.

Não escolhe, hein? Estamos de olho! Estenda a mão ou levante-se da cadeira e vá até o livro mais próximo. Não pensa muito não. Abra na página 22 e comece um texto a partir das ideias que encontrar. Será que conseguiremos descobrir qual foi o livro? Não facilite nas dicas!

Todo mundo tem alguma coisa da qual realmente sente medo. Pode ser o fantasma embaixo da cama, a morte ou os boletos de final de mês. Sentiu o arrepio, né? Nós já estamos suando frio!

A infância é associada ao lugar das possibilidades, do descobrimento e da mente ilimitada. Qual foi sua ideia mais louca? Superpoderes, mundos fantásticos, paz mundial ou o fim de um gênero musical grudento? Qualquer maluquice é válida, afinal, éramos crianças.

Conversar com outras formas de arte é gostoso demais. Agora vamos nos conectar com quadros, esculturas, instalações. Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras, não é? Então vamos mostrar que a escrita também desenha, esculpe e fotografa! Mãos à obra… prima!

Ele aguenta sua conversação e suas piadas sem graça. Ele aguenta você fazendo drama por causa do joelho ralado ou do pé na bunda que tomou. Ele lê seus textos e leva seu chocolate preferido quando você está doente. Quem é o amigo que veio a sua cabeça ao ler isso aqui? É ele a vítima deste desafio!

Não venha com essa história de que seu super-herói favorito é uma pessoa do cotidiano, ok? Este desafio é o que desencadeará brigas entre os conhecedores da cultura pop. Qual é seu super-herói favorito? Grandes poderes ou habilidades e dinheiro? Marvel ou DC?

Vamos voltar à infância de novo? Terror, romance, humor ou uma simples releitura. Tudo aqui é válido, desde que se baseie em um conto infantil. Será que as histórias que seus pais te contavam eram as mesmas que ouvíamos por aqui?

Só conta se você tiver fechado os olhos pra dormir. Tudo é permitido no mundo dos sonhos, mas não vale roubar. Sonhou com um sabor improvável de bolo? Com a ressurreição de um ente querido? O que os seus sonhos mais profundos vão aprontar neste texto?

Escrever ressignifica a vida. Sonhos, rotina, trabalho, prazer, necessidade. Aqui nós propusemos um desafio de escrita criativa. Como foram seus últimos trinta dias? Chega mais que a gente quer saber!

Já tá sentindo o orgulho bater? Compartilhe conosco!